Policiais militares participam de programa desenvolvido por acadêmicos

Da Redação

Há três meses, seiscentos policiais militares estão sendo submetidos a uma série de exames médicos, na Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Esfap), em Cuiabá. O check-up faz parte do programa ‘Qualidade de Vida, Atividade Física e Saúde do Policial’, projeto acadêmico institucional em Educação Física de quatro universidades em parceria com a Diretoria de Ensino, Instrução e Pesquisa da Polícia Militar (Deip).

O intuito da pesquisa é criar um banco de dados com informações sobre a saúde dos policiais, por meio de intervenções e avaliações multidisciplinares, visando à redução de doenças crônicas e o sedentarismo na tropa.

Os policiais passam por avaliações antropométricas, testes de pressão, flexibilidade, composição corporal, densidade óssea, metabolismo basal, idade física, percentual de gordura; além de exames cardiovasculares e metabólicos. As avaliações são realizadas por 54 profissionais da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade de Cuiabá (Unic) , Centro Universitário de Várzea Grande (Univag) e Universidade São Judas Tadeu, em São Paulo.

O coordenador do programa, tenente-coronel Almir Ferraz explica que ao fim da pesquisa, o banco de dados será disponibilizado ao Comando Geral da Polícia Militar para auxiliar a corporação no aprimoramento de ações de preventivas de saúde para os policiais e até mesmo desenvolvimento de atividades físicas baseadas na pesquisa.

“O nosso objetivo é avaliar os policiais que estão na rua, avaliaremos a condição geral de saúde destes militares, faremos um raio-x, obedecendo todas essas dimensões que todos os profissionais farão dentro destas avaliações multidisciplinares. Ao fim, estabeleceremos protocolos validados por órgãos internacionais, já que o projeto é registrado na Organização Mundial de Saúde (OMS) e Anvisa. Depois disso, vamos registrar o projeto  no protocolo de propriedade intelectual da PM. A idéia é ampliar esse programa para todos os Comandos Regionais da PMMT, para que possamos melhorar a saúde física e mental dos nossos policiais”, explicou o tenente-coronel.

Sargento Mário Cesar, do 1º Batalhão de Polícia Militar, participa da pesquisa e conta que pratica caminhada todos os dias. Para o policial,  a iniciativa deve ser estendida para todos os batalhões.

“É importante para saber como está à saúde dos policiais, principalmente aqueles que atuam nas ruas. Esse programa pode identificar o nível de estresse da tropa também e nos alerta a cuidar da saúde, praticar atividade física”, conta o sargento

O programa pretende auxiliar a Polícia Militar a intervir com ações de saúde preventivas voltadas para os policiais que atuam nas ruas, evitando o afastamento destes profissionais que atuam no policiamento ostensivo.

Depois dos exames médicos e testes físicos, os participantes vão responder a um questionário sobre a rotina, qualidade do sono e alimentação. As avaliações de estilo de vida serão desenvolvidas na UFMT, já a parte de atendimento psicológico será feita na Unic.

Fonte: PM-MT / Foto: Sdd. Elias PMMT